Você está aqui: Página Inicial / Pessoas / Karen Barbosa

Karen Barbosa

 

Karen Barbosa é Bacharel em Gravura pela Escola de Belas Artes da UFRJ (1990), pós-graduada em Conservação de Bens Culturais Móveis pela UFRJ (1996) e em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis pelo CECOR – UFMG (1998). Em 2017 iniciou seu doutorado em Conservação e Restauração de Bens Culturais pela Universidade Católica Portuguesa, no Porto, em Portugal, onde é pesquisadora do Grupo de Estudos de Conservação do CITAR (Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes).
Como parte de sua educação continuada foi bolsista, pela Fundação Vitae, durante 10 meses no Los Angeles County Museum of Art - LACMA, Los Angeles, onde desenvolveu trabalhos de restauração em pinturas americanas e inglesas do séc. XIX, sob a supervisão de Joe Fronek. Em 2010, passou 8 meses no  Institute Royale du Patrimoine Artistique - KIK-IRPA, Bruxelas, se aperfeiçoando na área de restauração e pesquisa de técnicas de pinturas flamengas dos séculos XV, XVI e XVII.
Ainda como parte de sua formação continuada, participou de workshops ministrados pelos ingleses Stephan Hackney (Tate Gallery), David Bomford (National Gallery, Londres), Alan Phenix (Courtald Institute of Art) e Tom Caley (restaurador privado), na área de conservação e restauração de pinturas de cavalete.

Karen Barbosa coordena o Departamento de Conservação e Restauração do MASP, desde março de 1999, onde é responsável pela conservação e restauração de um acervo de mais de 8.000 obras. Sendo a única restauradora da instituição durante todos estes anos, sua prioridade é a conservação e a preservação do acervo. Na área de conservação preventiva, desenvolveu trabalhos de pesquisa de poluentes em ambientes museológicos em parceria com profissionais do IPT (instituto de Pesquisas Tecnológicas). Atua no controle de bio-contaminação em acervos com o auxílio de profissionais da área de biologia e desde 1999 exerce atividades de combate de insetos xilófagos por meio de atmosfera modificada com gases inertes. Atua de forma constante na preservação da arte em trânsito, desenvolvendo embalagens, preparando vitrines micro-climatizadas, treinando profissionais e aperfeiçoando padrões de relatórios de obras que são emprestadas. Mantém parcerias com instituições internacionais, como o Louvre, Instituto Getty, Museu do Prado, Superintendência de Roma, de Perúgia, entre outros, de forma a manter o máximo de excelência na restauração das obras dos grandes mestres europeus, além da parceria com profissionais multidisciplinares incentivando a pesquisa e conservação do acervo museológico.