Você está aqui: Página Inicial / Pessoas / Raquel de Oliveira Pedro Garbelotti

Raquel de Oliveira Pedro Garbelotti

é docente e pesquisadora na UFES. Cursou doutorado pela ECA/USP.

Atualmente desenvolve um projeto com o Contracondutas pela Escola da Cidade, com curadoria de Carolina Tonetti e Ligia Nobre.

A artista participou de diversas exposições individuais e coletivas:

(2015 a 2017) Do Objeto para o Mundo – Coleção Inhotim, curadoria de Rodrigo Moura. INHOTIN, Brumadinho/MG, Brasil.

Em (2010) desenvolveu o projeto A reflexividade dos mecanismos de apresentação dos projetos em Arte e Audiovisual garante seu estado estético-político? na 29a Bienal de São Paulo; curadoria de Helmut Batista (Capacete), São Paulo, Brasil.

Em (2011) participou do 32º Panorama de Arte Brasileira, CINEMA DE ARTISTA (publicação / palestra); curadoria de Cauê Alves e Cristina Tejo, no Museu de Arte Moderna, São Paulo. No mesmo ano também participou da coletiva Brutalidade Jardim, curadoria de Kiki Mazzucchelli, na Galeria Marilia Razuk em São Paulo e apresentou o projeto Juntamentz na 8a Bienal do Mercosul - Ensaios de Geopoéticas, Porto Alegre, Brasil; curadoria de José Rocca.

Em (2007) realizou o projeto Banda Sonora / derive songs – LA MAR, com Carla Zaccagnini e Wagner Morales, curadoria de Alicia Herrero; Bienal Internacional del Fin del Mundo, Ushuia / Argentina e o projeto Versão Composta [composite version] com Rubens Mano; curadoria de Marcelo Resende e Fernando Oliva no LUMINOUS ECHO - Microwave International New Media Arts Festival, Hong Kong, China.

Em (2005) apresentou o projeto Versão Composta [composite version], na exposição Au Delà du Copan, Supernatural Urbanisme com Rubens Mano ;curadoria de Carlos Cadenas, Martin Grossman e Eduardo Aquino, na Ecole Nationale Superiere des Beux-Arts, Programme La Seine – Espace Paul Ricard, Paris, França.

Em (2004) apresentou o projeto Involuntary Movement, Featured-Film, SNEZEE 80X80, curadoria de Natasha Makowsky e Peter Loyd Lewis, na Gazon Rouge Gallery, Atenas, Grécia.

Em (2002), apresentou projeto Boa Vista na 25ª Bienal de São Paulo e em (2001) participou do Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo.