Você está aqui: Página Inicial / Eventos / Jornadas / EM DEBATE: CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO NO BRASIL / EM DEBATE: CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO NO BRASIL - Gestão em Risco ou Gestão de Risco? A situação da salvaguarda do patrimônio cultural e artístico nacional. – 21.03 às 10h Transmissão ao vivo

EM DEBATE: CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO NO BRASIL - Gestão em Risco ou Gestão de Risco? A situação da salvaguarda do patrimônio cultural e artístico nacional. – 21.03 às 10h Transmissão ao vivo

Apresentação1º Encontro – 
Atuação do Conservador- Restaurador
2º Encontro – 
A parceria da conservação
3º Encontro – Conservação de obras em trânsito4º Encontro – Deslocamento de Coleção5° Encontro - Gestão em Risco ou Gestão de Risco?Fotos dos encontrosRelatos Críticos

As jornadas críticas EM DEBATE: CONSERVAÇÃO E PRESERVAÇÃO NO BRASIL são uma parceria Fórum Permanente com o Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, o Departamento de Museologia, Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas e a Biblioteca Brasiliana Mindlin.

 

5° Encontro: Gestão em Risco ou Gestão de Risco? A situação da salvaguarda do patrimônio cultural e artístico nacional.

Data: 21 de março de 2019, das 10:00 as 13:00 horas

Local: Instituto de Estudos Avançados da USP

Inscrições: mesas.conservacaoerestauro@gmail.com até 18/03

Temos vivenciado, nos últimos anos, um aumento significativo de “acidentes” envolvendo o patrimônio artístico e histórico. O primeiro, de 1978, do MAM do Rio de Janeiro, reduziu a cinzas cerca de 90% da coleção [1],  dentre as obras queimadas encontrava-se 80 telas do uruguaio Torres Garcia, além de obras de Matisse, Dali, Portinari, Picasso, etc. Quase duas décadas após, em 1995, o Museu Nacional, teve problemas com as fortes chuvas que, dentre outros objetos,  molhou significativamente três múmias egípcias. De lá para cá fica impossível quantificar os “acidentes”: Teatro da Cultura Artística, Memorial da América Latina, Museu da Língua Portuguesa, Centro Cultural São Paulo, Instituto Butantã, Bienal de São Paulo, Museu de Ciências Naturais da PUC de Minas Gerais, Centro Cultural Liceu de Artes e Ofícios, Cinemateca Brasileira e ..... Museu Nacional.

Contingenciamento de verbas, falta de manutenção adequada, inexistência de plano de emergência, equipes dessincronizadas e despreparadas para atuar com o patrimônio em situação de risco, abandono de prédios tombados pela esfera pública, monumentos naturais - cavernas e grutas – em processo de erosão. etc. Será que não aprendemos nada desde 1978? Até onde existe uma falta de priorização da cultura no país? O que aconteceu no Museu Nacional merece uma reflexão profunda sobre a situação das nossas instituições na ultima década. Afinal a gestão museológica está em risco ou suas escolhas e prioridades estão ocasionando o risco? Existe uma ideologia por trás desta desconstrução ou é meramente uma falta de conscientização e respeito a cultura?

A quinta mesa-redonda do ciclo “Em debate: A conservação e a restauração no Brasil” foi pensada objetivando tentar entender minimamente os meandros dos bastidores da salvaguarda do patrimônio cultural e artístico nacional.

 

Data: 21 de março de 2019, das 10:00 as 13:00 horas

Local: Instituto de Estudos Avançados da USP

Mediadora: Isis Baldini (Fórum Permanente)

Relato Crítico: Caetana Britto

Participantes:

1) Gina Machado (Gestora e consultora de projetos culturais – Linha d’Água Difusão Cutural Ltda.)

2) Renata Motta (Presidente do ICOM Brasil (Conselho internacional de Museus)

3) José Luiz Pedersoli Jr. (Gerente de Projetos – Conservação de Coleções –  Centro Internacional de Estudos para a Conservação e Restauro de Bens Culturais – ICCROM)

4) Eduardo Nocetti Holms (Coronel da Reserva do Corpo de Bombeiros / Polícia Militar)