27ª. Bienal de São Paulo – “Como viver junto” - Seminários Internacionais - 1º. SEMINÁRIO: MARCEL, 30"

Acompanhe aqui as atividades do seminário por meio da transmissão on-line e dos relatos das palestras e debates.


Logo Bienal - marcel 30 - janeiro de 2006

Fórum Permanente: Museus de Arte - entre o público e o privado

Documentação

Seminário Marcel, 30

Marcel Broodthaers nasceu em Bruxelas, em 1924, logo se filiou ao Partido Comunista e iniciou sua carreira como poeta. Em  1946, inaugurou sua própria livraria e, somente no início da década de 1960, começou a se envolver com os circuitos de  artes visuais. A obra tardia de René Magritte teve forte influência em seu desenvolvimento artístico, juntamente com  Mallarmé, Antonin Artaud, Roland Barthes, Kurt Schwitters, o Dadaísmo, Joseph Beuys e a Pop-Art americana, entre outros.  Broodthaers trabalhou simultaneamente com todos os suportes: pintura, escultura, gravura, fotografia, filme, performance e i  instalações. Sua obra mais ambiciosa é um museu fictício, criado entre 1968 e 1972, intitulado Musée d’Art Moderne,  Département des Aigles, um projeto em desenvolvimento, que questionava as noções de coleção e representação, original e  cópia, artista e sociedade. 
Pouco antes de sua morte, em 28 de janeiro de 1976, e nas décadas seguintes, sua obra foi agraciada com uma série de  retrospectivas institucionais e mostras em galerias européias e norte-americanas. Ainda assim, seu trabalho é pouco  debatido pelo grande público e seu conhecimento ficou restrito a artistas, teóricos e filósofos. As estratégias, a linguagem, as  inovações, a ironia e a teoria de Broodthaers tiveram e continuam tendo uma forte influência em toda a amplitude da arte  conceitual. No Brasil, ainda que tenha sido mostrada na 22ª Bienal de São Paulo, sua obra teve uma recepção tímida. Os  vários diálogos gerados com a produção brasileira parecem ocorrer paralelamente ou, talvez, indireta e inconscientemente.

Marcel Broodthaers - Musée d’’Art Moderne, Département des Aigles. Vista parcial da sala especial dedicada a Marcel Broodthaers no novo museu de arte contemporânea de Düsseldorf "K21".

O seminário pretende ir além da pura revisão histórica de Marcel Broodthaers e discutir as questões-chave de sua obra — a  ficção, o suporte, a antiteoria, a crítica da instituição, a não-arte, o falso, entre outras — à luz da produção artística  contemporânea. — Jochen Volz, curador convidado da 27ª Biena

 

Participantes do seminário

Jochen Volz (Coordenador), Lisette LagnadoJürgen HartenDorothea ZwirnerStéphane HuchetRicardo BasbaumRirkrit Tiravanija

(Fonte: Fundação Bienal de São Paulo - http://bienalsaopaulo.globo.com/)

 


Concepção e organização do Seminário
Fundação Bienal de São Paulo
vazio-amareloRelatoria e Transmissão
Fórum Permanente: Museus de Arte - entre o público e o privado
Parceiros do Fórum Permanente
Goethe Institut

British Council - 60 anos

Consulado Geral da França em São Paulo
Instituto Cervantes (3)
Agencia Española de Cooperación Internacional
Consulado dos Países Baixos
Apoio
Secretaria de Estado da Cultura-peq
Vitae-pequeno
Escola de Comunicações e Artes
Tidia - Incubadora Fapesp (2)
CCE-USP (150)